Caracolada da horta

Hoje vai haver caracolada aqui em casa. Os caracóis é que são poucos porque foram apanhados na horta.
Nem chegam a 1/2 quilo. Fui-os apanhando durante a semana e coloquei-os num garrafão. Depois, nos últimos 2 dias, dei-lhes umas folhas de couve e de alfaces da horta, e uns caroços de maça mal roídos, para se irem mantendo vivos.

A receita, saquei-a da net@ e adaptei-a.

1/2 kg caracóis
1 c. sopa azeite
3 dentes de alho
1 cebolas
1 folhas de louro
orégãos
2 piripiris em vagem
uma dúzia de grãos de pimenta
q.b. sal

Preparação:

  1. Leve os caracóis ao lume numa panela de água (dois ou três dedos acima dos caracóis).
  2. Junte o azeite, os alhos, a cebola cortada em quartos, o louro, os orégãos e tempere com sal, pimenta e piripiri
  3. A fervura deve ser suave e longa (cerca de 2 horas) e a espuma retirada de vez em quando.
  4. Conserve-os no líquido da cozedura até a altura de servir.
  5. Sirva quente em pratinhos com um pouco de caldo.

Lixo no forno

lixo no fornpo
Sim, leram bem, isto tecnicamente é, ou seria, lixo.
Daqui só a cebola e o azeite näo eram coisas que estavam a ponto de ser mandadas para o lixo:
– a cara de bacalhau, porque depois de retirados os filetöes o pessoal näo sabe o que fazer com o que sobra, e se ninguém compra vai pro lixo;
– os pimentos, porque já näo estavam lustrosos embora estivessem sem bicheza ou bolor, e se ninguém compra vai pro lixo.

Calhei a passar ao lado da banca e chamou-me a atenc,äo, por ser coisa que nunca vi pelas Finlândias. Referi-o à empregada… e acabei por o levar para casa à borla!
Mmm… que “lixo” delicioso! Obrigado ignorantes finlandeses por este pitéu!
Bacalhau a saber a pato!
Foi acompanhado de batatas assadas no micro-ondas, e para beber foi um Uvas Douradas tinto Bairrada DOC Reserva 2007.

Coquetel de melancia

Abrir uma melancia, de 7 Kg se houver. Ou menor. Ou maior.
Meter ao alto e cortar um tampo com cuidado.
Esmagar a polpa à mäo dentro da própria melância (é para rimar com estância) , se se for muito picuinhas escoar o sumo para uma panela de 5 l através de passador, pressionando até só ter os caroços naquele.
Acrescentar sumo de laranja e rum (ou vodka, ou aguardente vínica) à panela, até encher. O ideal será ter 1/4 de espirituosa e 3/4 de sumo.
Vazar o acoólico líquido dentro da melancia. Juntar gelo.
Está pronto.
Meter a melancia no meio da mesa e servir com uma concha de sopa.

Excelente para problemas de sede no Verão.

Adenda: à paträo faz-se assim:

Coquetel de melancia à patrão
Ainda fica mais giro, dá é mais trabalho!

Mereneläväriisi

Iniciamos aqui uma rubrica de aprendizagem linguística, aproveitando a coluna de culinária.
Para começar à paträo, escolhemos o finlandês. Sabemos como os nossos queridos leitores gostam de um bom desafio! Vamos lá então:

Mereneläväriisi

4 valkosipulinkynttä
2 sipulia
1 nippu korianteria
vajaat 2 dl oliiviöljyä
400 g pakastettuja kypsiä jättiläiskatkaravun pyrstöjä (tai 500 g raakoja, kuorellisia, pakastettuja jättiläiskatkaravunpyrstöjä)
600 g pakastettuja mereneläviä (sekoitus esimerkiksi kalmareita, simpukoita, katkarapuja ja mustekalaa)
suolaa
(1 tl chilirouhetta)
200 g pakastettuja mustekalanrenkaita
1 tlk (400g) tomaattimurskaa
4 dl risottoriisiä (carolino tai arborio)
7½ dl vettä
400 g pakastettuja puolikkaita kypsiä vihersimpukoita kuorineen (tai 500 g kokonaisia sinisimpukoita)

  • Pilko valkosipulinkynnet, sipulit ja korianteri.
  • Annostele syvälle paistinpannulle ¾ desilitraa oliiviöljyä.
  • Kun öljy on kuumentunut, lisää hienonnetut valkosipulit.
  • Kun valkosipulit ovat kypsyneet, nostele ne lusikalla sivuun lautaselle odottamaan.
  • Paista samassa öljyssä katkaravunpyrstöjä enintään 5 minuuttia niin, että ne ovat läpikotaisin sulia. Jos käytät kypsentämättömiä katkaravunpyrstöjä, paista niitä niin kauan, että ne saavat kauniin, punertavan värin. Nosta katkaravut valkosipulien kanssa sivuun.
  • Annostele toiseen kattilaan vajaa desilitra oliiviöljyä ja kuullota siinä pilkotut sipulit.
  • Kun sipulit ovat pehmentyneet ja imeneet öljyn, lisää joukkoon jäinen mereneläväsekoitus.
  • Kaada joukkoon vielä valkosipulin ja katkarapujen paistoöljy ja lisää joukkoon teelusikallinen suolaa ja halutessasi 1 tl chilirouhetta. Kääntele mereneläviä öljyssä.
  • Kun merenelävät ovat sulia, lisää joukkoon mustekalarenkaat, tomaattimurska ja anna kuumentua muutaman minuutin.
  • Lisää kattilaan risottoriisi ja sekoita.
  • Lisää joukkoon vielä 7½ dl kiehuvaa vettä, sekoita ja laita kattilan kansi päälle. Anna riisin kypsyä noin 15 minuuttia.
  • Lisää joukkoon simpukat vähän ennen kuin riisi on kypsää. Laita vielä kansi päälle ja kypsytä muutaman minuutin ajan.
  • Kääntele ennen tarjoilua joukkoon katkaravunpyrstöt ja paistetut valkosipulit. Lisää suolaa tarvittaessa. Koristele korianterisilpulla.

Se a traduçäo tiver corrido bem o resultado será este:

Portugalilainen mereneläväriisi

 

Sangria de Ano Novo

Por acaso é a mesma receita da Sangria de Fim-de-Ano (© ISCTINHOS 1998,1999), mas atrasei-me a escrever o artigo…

Receita para 10 beberrões

4 Laranjas
4 Maçãs
1 1/2 l de Gasosa
1 l de Laranjada
1 Garrafa de Espumante Bruto
1 Garrafa de Espumante Doce
1 Garrafa de Espumante Asti
2/3 Garrafa de Gin
1/2 Garrafa de Vodka
1/2 Garrafa de Rum
1/3 l de Licor Beirão Velho
Açúcar q. b.

Num tacho grande:
Cortar as frutas aos pedaços.
Ir juntando as bebidas, mexendo até incorporar.
Servir e regalar-se!!!

Isto dá cerca de meio litro e um copo a cada um com a miséria de menos de 8,4% de álcool!!!

Vinho de pacote

vinho 001Decerto já ouvisteis falar de pacotes de vinho. Estão imenso na moda, pesam bem menos que o equivalente engarrafado, e conservam-se que é uma beleza no vácuo. Mas isto é outra coisa, näo é pacote de vinho, é vinho de pacote. Tal como os pudins e mousses e gelatinas, é só juntar água a ferver e açúcar. Vinho instantâneo. Ou quase. De onde vem isto? Dos países frios, onde näo há uvas. Quem näo tem cäo caça com gato.

vinho 002Ora bem, vamos cá a ver: cada pacote contém um subpacote com o “material vínico” (composto de bagas silvestres secas, passas de uva, e alguns, tal como este, trazem também raspas de madeira de carvalho), fermento vínico, e demais químicos que se usam na produçäo do vinho (tal como nos países onde há uvas). Maravilha!

vinho 003vinho 007Começa-se por espetar o “material vínico” num recipiente de 30 l, e afinfa-se-lhe com uns 5-10 l de água a ferver para que as frutas secas inchem. Juntam-se-lhe o ácido cítrico.

 

vinho 004vinho 005Vai-se junta-se o açúcar necessário a àgua a ferver para que se dissolva, e deita-se em cima da mistura anterior. Para 23 litros de vinho eles recomendam 4kg de açúcar, mas isto é para ser vinho à homem, logo foram 5kg. Prevêem-se 12% de álcool.

vinho 006vinho 009aOs utensílios de cozinha só se riem… pudera!

Aconselha-se a usar só material de aço inox, para näo ter vinho com sabor, digamos, demasiado complexo. Ou entäo, se quiserem, olha, mexam com a colher de pau dos estufados, para transmitir aromas a especiarias!

vinho 008vinho 009Quando a mistura baixar dos 60oC adicionam-se as enzimas. E sabem como é que as enzimas se reproduzem? É uma enzima da outra.

Vai-se entäo juntando água fria até o mosto perfazer 23 l. Depois esperamos até a temperatura baixar dos 35oC, para näo maltratar o fermento. O fermento é nosso amigo e é um gajo esforçado, transforma água açucarada em licor, näo lhe queremos fazer mal!

vinho 010vinho 011Dissolve-se -se o fermento vínico num catuchinho de água a 35oC, deixa-se inchar por 10 minutos, e entäo junta-se ao mosto.

 

vinho 012vinho 013É hora entäo de tapar o recipiente muito bem tapadinho , meter-lhe o trinco de água, e colocá-lo em sítio abrigado do sol, onde a temperatura esteja ali nos 20-25oC. Se a temperatura estiver constantemente abaixo dos 10oC o fermento adormece e fermenta mais devagar, e se estiver constantemente acima dos 30oC o fermento, pois, morre antes de fermentar o açúcar. É melhor num sítio mais frio que mais quente.

vinho 014vinho 015Sabe-se que tudo correu bem se o trinco de água começar a borbulhar (de emoçäo, meu amor) ao fim de um dia, no máximo. Quando deixar de borbulhar (tipo em 2 semanas), passa-se o vinho, i.e., retira-se o mosto, metendo a parte líquido noutro recipiente. Nesta altura já se sabia que ia sair bom, ao abrir a tampa já cheirava a vinho!

vinho 016vinho 018Para que näo hajam dúvidas, junta-se ao líquido o metabisulfito de potássio para parar qualquer fermentaçäo residual. E volta-se a tapar e selar. Esperam-se 2 dias. De vez em quando pode-se tirar o trinco de água, meter o dedo no buraco (que é sempre divertido) e andar com o recipiente à roda um ror de vezes para expulsar algum excesso de dióxido de carbono.

vinho 019vinho 020É hora entäo de se juntar ao líquido o ácido silícico e 10 minutos depois a quitosana. Isto serve para clarificar o vinho das impurezas que ainda tenha.

 

vinho 021vinho 020aVolta-se a tapar, e espera-se uma semana, pelo menos. Depois disso, está pronto a engarrafar! Sempre com muito cuidado, que o depósito está no fundo do recipiente, e näo queremos a nossa pinga suja!

E pronto, cá está. Vinho quase instantâneo. Inacreditável! Está pronto a beber, mas eles recomendam que se esperem pelo menos 3 meses, para que o vinho desenvolva. Entäo depois logo diremos como ficou!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Os USA começaram a vender azeite

Os gringos querem mais
Azeite

A Califórnia descobriu que o azeite é um grande negócio.
Nem vão passar doze meses até aparecer um “estudo” a provar que o
azeite português tem uma molécula patogénica*alergénica-cancerígena mesmo tramada e que só aquele azeite especial com um selo “coiso e tal” é que é mesmo puro.

Mais do mesmo:
Cinco usos americanos para o azeite

Galinha Vaporizada

  • 1 Galinha
  • 1 Cebola
  • 1 Pimento Verde
  • 1 Cenoura
  • 1 Beringela
  • 0,5 Kg de Arroz Carolino
  • Vinho Branco

Em uma Panela de Pressão, vai-se metendo à vez, até frigir medianamente (ou então sai tudo queimado, né?) a cebola às tiras, o pimento às tiras, a cenoura às rodelas e a beringela aos cubos.
Quanto a mistura estiver bem estufada, junta-se a galinha aos bocados, espeta-se um copo de bom branco velho lá para dentro (e outro ao bucho!J), fecha-se e deixa-se em lume brando até começar a apitar, tendo o cuidado de, de quando em vez, andar com a panela à roda (entenda-se a panela de pressão… com a outra, cada um qual é livre de fazer o que quiser com a sua).
Quando a galinha estiver no ponto (uma bela meia hora), retira-se, retiram-se os legumes à parte, junta-se o arroz ao belo caldo formado, mais um pouco de água, volta-se a fechar e de cinco a dez minutos depois retirar do lume.
Juntar os legumes ao arroz e servir imediatamente.
Para acompanhar um tinto maduro à temperatura ambiente.

Arrozada do campo

1 chouriço negro ou de carne
1 farinheira
1/2 couve média
3 cenouras médias
300g de arroz carolino
200g de feijão encarnado

Deitar o chouriço cortado ao meio (pela curva) em água fria, juntando as couves como mais aprouver: se for couve branca, cortada em 4 ou 8 (consegue-se com 3 cortes, sabiam?); se for coraçäo-de-boi ou portuguesa, deitar as folhas separadas.
Quando as couves estiverem cozidas, retirá-las e reservá-las. Juntar o feijäo ao caldo achouriçado e deixar cozer, sem deixar que o feijäo se desfaça–se for de lata é só deixar ferver e já está.
Cortar a farinheira crua a meio (também pela curva), deitar meia farinheira em água fria, juntando as cenouras cortadas ao alto. Quando começar a ferver, juntar o arroz. Deixar cozer até o arroz estar no ponto, que entretanto o feijäo também já deve estar cozido.

Servir as couves com rodelas de chouriço por cima, a cenoura misturada com o feijäo, e o arroz afarinheirado por si só.
Acompanhar com um tinto maduro mais para o novo.

Bacalhauzada de Massa

Nos tempos que correm não há publicação digna que não tenha uma secção de comidas. Aqui já temos a de bebidas, e há que dar ideias de como ensopar aquela pinga toda.
Onde tirei o curso de culinária? Na cozinha da minha avó! Um saber de experiência feito!
Não esperem dessas mariquices gourmet que se sai da mesa com mais fome com que a que se entrou, aqui é para comer até cair de cu.
Ora então vamos lá a ver:

0,5 kg de Bacalhau
1 Cabeça de Alho
1 Cebola
1 Pacote de Natas
0,5 Kg de Macarrão Grande Riscado
Sal e malagueta q. b.

Deixar fritar os alhos e a cebola (tudo às rodelas), juntando-se então o bacalhau (convém ser demolhado) o mais desfiado possível.
Quando estiver no ponto, juntam-se as natas.
Atenção que as natas devem ferver o menos possível!
Juntar o macarrão, entretanto cozido al dente, envolvendo bem.
Serve-se polvilhado de hortelã picada.
Para acompanhar um branco maduro fresquinho.

.Pois soube-me a mofo, pois soube-me a mofo…

(Música do Sergio Godinho: Pois soube-me a pouco.)
Pois soube-me a mofo, pois soube-me a mofo…
Este hamburger do McDonalds.
Pois soube-me a mofo, pois soube-me a mofo…
Aquele hamburger do McDonalds.

É que me soube mesmo a mofo!
Vai daí, comecei a olhar com outro olhos o “modus operandi”.
– – –
McTruques: Entregar a factura ao cliente. Nunca, nunca colocá-la no tabuleiro.
A factura é num papel termo-tóxico, repleta de químicos perniciosos.
Se for o McEmpregado a colocar a dita cuja no tabuleiro, a ASAE multa e com toda a razão.
Se for o cliente a colocá-la, a ASAE já não pode dizer nada.

Papinhas boas

Passei pela Praia Grande e depois de ver as alternativas decidi-me a visitar o restaurante “o Crôa”.
Excelente escolha. Imensa gente, várias famílias, parque de estacionamento e parque infantil com um mini escorrega e balancés.

Abriram-se as hostilidades com caracóis e imperiais.
Corria o França – Espanha.
As imperiais estavam divinas! E os caracóis não ficavam atrás. Nem sequer estavam picantes, para os miúdos gostarem.
Meio tempo. No jogo estava tudo em aberto.
Depois vieram as ameijoas, suculentas e carnudas.
Continuámos com as sardinhas enquanto perdíamos a conta às imperiais e os franceses claudicavam.
Rematámos atacando uma copiosa tarte de mousse de chocolate com gelado enquanto regalávamos a vista com um magnífico pôr do sol.
Que pançada. E a conta não foi nada por aí além.

Lá na Suécia não há nada assim.
E o mar imenso, a perder de vista…

Vista da sala de jantar para o parque infantil e para o mar.

O empreendedorismo em Portugal

O novo mantra é “empreendedorismo”. Vai-nos salvar da crise, vai por pão na boca de cada português, vai fazer de Portugal uma potência económica!!!

É bem: afinal os portugueses (como todos os sul-europeus) são uma cambada de calões, é bom que se finalmente se mexam, e criem empresas!

estrela de pastéis de nataEntretanto, alguém que informe os gajos do Banco Mundial que coligiram estes dados que se engararam! Então não é que aparecem coisas como:

PMEs por 1.000 habitantes (por volta de 2003)
—————-
Itália 77,876
Espanha 73,015
Grécia 69,941
Portugal 66,373

Finlândia 42,394

EUA (Eldorado do empreendedorismo) 19,985