Suspiria

Entrei no IST em 1981/82. No primeiro dia, cheguei mais cedo, e já lá estava o Fernando, à espera da primeira aula – de Matemática, com o Campos Ferreira.

O Fernando sofria de parkinsonismo, e tinha uns delírios, mas também uma mente brilhante. No primeiro ano, desenvolveu uma teoria que punha a teoria da relatividade de lado. Apresentou-a ao nosso melhor professor – o Moura Ramos, professor de Química – que o aconselhou a estudar mais e rever as fórmulas que tinha escrito. Eu também fui um dos revisores, mas aquilo ultrapassava-me – talvez em paciência.

Entre outras substâncias, o Fernando tomava Leponex – uma droga que só existia no Hospital Júlio de Matos e nos hospitais centrais (o Lexotan e o Xanax [inexistente na altura] eram para meninos de coro) – que o fazia cair para o chão num minuto. Um dia o Fernando disse-me: “acabei com a medicação, deitei os comprimidos todos pela pia abaixo”. Não passou uma semana, começou a tremer, e, pouco depois, já não conseguia escrever, nem pegar numa esferográfica. Começou, inclusive, a ter tendências suicidas, quando guiava na autoestrada.

Eu era um fã de cinema. Durante dois anos toquei fliscorne (um quase trompete) na banda filarmónica da Incrível Almadense e tinha livre acesso à sala de cinema da associação. Entre outras loucuras, vi a “Laranja Mecânica” quatro vezes no mesmo dia, em sessões contínuas. Vi também um filme/documentário, de culto, do Barbet Schroeder, “Idi Amin Dada” (aconselho-vos a lerem a saga da realização e distribuição deste filme), a “Árvore dos Tamancos” do Ermanno Olmi, entre outras belezas da cinematografia internacional. Em resumo, passava a vida no cinema.

O Fernando não deixou morrer essa minha paixão. Era, também, um fã de cinema, e fui ver, com ele, os filmes mais loucos ao City Cine, ao Quarteto, e em salas improvisadas na noite de Lisboa: “Saló”, “Teorema”, “Irei Como um Cavalo Louco”…

Mais tarde, quando o Fernando desapareceu, continuei a frequentar mais o Quarteto do que as aulas do Técnico.

Mas um dia, ele surgiu com uma história estranha. Tinha ido ver o “Suspiria”. Lembro-me de ele ter referido as cenas das facadas, do sangue que parecia tinta vermelha, tão falso como nos filmes de cowboys dos anos 60, das cenas quase teatrais, a lembrar imitações primárias do Manoel de Oliveira…

Mas o “Suspiria” tornou-se um filme de culto. A atriz principal é a Jessica Harper, ainda novinha. A Jessica Harper que eu vi no “Stardust Memories” do Woody Allen, com a Charlotte Rampling, e que, quando o Woody Allen a convida, ao telefone, para ir dormir com ele, ela responde que não pode porque está com herpes… nunca mais me esqueci: nem dela, nem do herpes. Mas também a vi no filme fantástico do Brian de Palma, “O Fantasma do Paraíso” – estonteante -, e no “Inserts”, passado em tempo real, com o Richard Dreyfuss, e um piano branco, e uma garrafa de whisky, sobre um tipo que filmava intercalados em grande plano, para filmes pornográficos, no tempo do Clark Gable (que aparece, como personagem, no filme).

Pois… o “Suspiria” passou ontem, 5ª feira, na RTP2, numa cópia digital restaurada, a partir de uma película em mau estado e com fotogramas em falta, fiel à cor saturada original. Vale a pena ver. O Fernando tinha razão: as facadas, o sangue, e a encenação são fraquinhas, mas ainda assim, vale a pena ver. E depois vejam o “Stardust Memories” e, principalmente “O Fantasma do Paraíso”.

Vi o Fernando, muitos anos mais tarde, no sítio onde morava, muito longe de Lisboa. Congratulei-me por ainda estar vivo. Viva a vida!

O Queiroz é um merdas

Queiroz contra-ataca de novo. “Não é qualquer burro que me dá um coice”

Agora que foi despedido, agora que nem o Irão o quer, só lhe resta disparatar. Há 10 anos atrás, eu despedi o Queiroz da seleção, e não quero vê-lo mais por cá. Infelizmente, esse javardo azedo e ressabiado acabou por se deparar com a nossa seleção e voltou a fazer merda.

Quando é que ele tropeça e é engolido por um esgoto de borda de passeio?

O Fim da Física

Agora que passou a euforia à volta do físico da cadeira de rodas, eis o que me vai na alma sobre a Física e, de uma forma geral, sobre a Ciência.
Quando “Uma Breve História do Tempo” foi publicado, comprei e devorei o livro. Adorava Física e histórias sobre Física, sobre como o Universo foi formado e, em última análise, sobre como nós aparecemos.
Já tinha lido “Um Pouco Mais de Azul” do Hubert Reeves, li depois “O Tao da Física” do Fritjof Capra, e mais tarde o “Caos” do James Gleick.
Todas essas coisas me fascinavam: Matemática, Física, os movimentos do mundo, e outras estranhezas.

Um à parte: sou um provocador e o que disse há umas semanas sobre o Stephen Hawking foram só isso: provocações. Provocações dirigidas a uma horde de anónimos que aleluiou um aleijado resistente, e não um lote de ideias interessantes sobre as origens da nossa presença aqui.

Mas a Física não satisfez a minha curiosidade. E até menos a Física do Stephen Hawking, mas mais a do Fritjof Capra.
As nossas ciências ocidentais são, tradicionalmente, muito analíticas: dividem tudo em partes para poderem analisar e explicar melhor as coisas. Ao contrário, o pensamento oriental é mais sintético: tem uma visão mais global e integrada dos eventos e da realidade.
Veja-se o exemplo da luz. A Física considera a luz, simultaneamente, como uma onda e como uma partícula. É estranho, são duas realidades difíceis de conciliar. Mas é assim que a luz é explicada, porque se comporta como onda e como partícula: duas realidades já conhecidas e classificadas pela Ciência.
Enquanto a Física não conseguir criar um padrão que explique a luz de forma integrada, não vai perceber o mundo, nem vai conseguir satisfazer a minha aspiração de tentar perceber as coisas.

A luz não é uma onda nem uma partícula. A luz é qualquer coisa que nós ainda não percebemos.

Correias da carrinha Space Gear

Na 6ª feira à noite partiu-se a correia do alternador da minha Space Gear. O carro já andava a fazer barulho – a chiar – porque uma correia já se tinha partido. Só agora, a posteriori, é que percebi isso. Para fazer rodar o alternador são precisas duas correias – neste carro – e quando está apenas uma em funcionamento, a inércia do alternador faz a correia chiar.

Entretanto, a correia da direção assistida dilatou e virou-se ao contrário. Nem sei como é que o carro andava.

A única correia aparentemente boa é a do ar condicionado. Mas decidi mudá-las todas.

A correia de transmissão foi mudada há pouco tempo, mas o tipo que a trocou não conseguiu encontrar as restantes no mercado – o que eu agora acho estranho, pois foi só chegar à loja e comprar – e deixou ficar as velhas. Daí, este problema.

Os tensores não têm grandes dificuldades em remover, a não ser o do ar condicionado. Tive que ver alguns vídeos na net@ para acelerar e facilitar o trabalho. Vou deixá-los aqui para referência futura.

Eis o vídeo que eu fiz:

Tenso do ar condicionado num Mitsubishi Galant

Tensores do alternador e da direção assistida num Mitsubishi Pajero

Troca da bomba de água num Mitsubishi Delica L400, com motor semelhante ao meu

Araucaria excelsa

Em Cacilhas há uma árvore enorme, que se vê de todo o lado, inclusive de Lisboa. Fica num quintal de uma casa velha na rua Carvalho Freirinha, logo ali junto aos barcos que vão para a margem norte.


(Araucaria excelsa, foto de Ana Gouveia)

A Ana fotografou a árvore esta tarde e fez-me recordar os tempos em que vivi nessa casa, nesse quintal…

Os galinheiros onde apanhava ovos acabados de pôr, o tanque onde tomava banho de verão, os ratos cinzentos recém nascidos que apanhei pela cauda, o filodendro que dava frutos tropicais, sei lá, tantas recordações dessa casa com nove assoalhadas e chão de madeira, onde se ouviam os passos dos vizinhos de cima, e o ecoar das nossas passadas quando corríamos pelo corredor.

Fiz cigarros na máquina do meu tio-bisavô, furei um dedo de lado a lado na máquina de costura da minha avó, andei pelos telhados vizinhos onde acedia pela janela, a casa de banho gigantesca onde eu e a minha irmã (com três anos) pintámos uns monstros (há uma foto disso, tenho que encontrá-la), a cozinha enorme onde a minha avó cozinhava cola feita de farinha, o quarto escuro, onde ouvi na rádio o decorrer da guerra dos seis dias…

Obrigado, Ana, por me fazeres lembrar isto tudo.

Have a Cigar

Em 81 emprestei um disco a uma miúda gira lá da rua. Eu não era – nem sou – mesmo nada de emprestar coisas, principalmente coisas das quais gostava. Mas era a miúda mais gira da rua, ela pediu-mo, e eu pensei: “ela sabe que eu existo!”. E, pronto, não consegui dizer que não.

O disco veio riscado. Saltava no Have a Cigar. Fiquei tão triste. Alíás, numa mistura de sentimentos extremos: feliz – felicíssimo – por tê-la visto mais uma vez, quando me entregou o disco, por lhe ter dado o prazer de levá-lo e ouvi-lo; mas triste pelo risco. Felizmente, tenho um primo que sabe muito de música e afins, que me ensinou a eliminar o risco com um pincel a forçar a agulha a passar na estria, enquanto tocava. 😀

Uns anos mais tarde casei com a miúda. 😁😁😁

(Moral da história: … não, prefiro não dar conselhos a ninguém.

Wish You Were Here - Pink Floyd

De volta a 73

Voltei a ouvir este solo da Clare Torry – pelo qual lhe pagaram 30 libras em 73 – quatro anos mais tarde, em outubro, no aniversário do meu primo.
“Eu conheço isto”… estive uns minutos a pensar e lembrei-me de onde: do fim do verão de 73, em Almoçageme, quando tentava decorar a letra dos Vinte Anos dos Green Windows. 😀

PS: a Clare Torry conseguiu um acordo com a banda, em 2005, para corrigir o valor, uma vez que era dela a autoria do solo. 😁😁

73

73, o ano em que passei a adorar o José Cid e os 20 anos e também este disco, que o facismo deixou passar.

Foi uma coincidência do caraças. Estive em setembro numa colónia de férias para putos, e os monitores passavam isto durante a sesta da tarde. Foram 15 dias a ouvir uma coisa que só percebi uns anos mais tarde.

Cagada em três atos

ATO I

A Francisca, muito provavelmente pressionada pelo António, que quer desbloquear as relações com Angola – agora aparentemente renovada – e sabendo que um diplomata de outro estado nunca cumprirá pena de prisão em Portugal, mesmo que seja culpado, ameaçou a saída da Joana, com uma leitura artística da Constituição.

Jorge, um constitucionalista incontroverso – meu colega numa escola de Lisboa e que vai a banhos numa praia do norte, como eu de vez em quando – veio refutar a opinião da Francisca, indicando que a Constituição não impõe limites, e, consequentemente, não há limites para a permanência no cargo.

O António calou-se e a Francisca não abriu mais a boca.

Ato II

“Isto não é a da Joana” – é um dito popular muito ouvido. Mas a Joana acha que sim, que é dela. E, vai daí, decidiu fazer-se ouvir e marcar pontos. Escolheu o Mário, que é, aparentemente, o mais frágil e o mais infantil do grupo, e aquele que poderia fazer desmoronar a construção.

O caso mais fácil era um frasco de Nutella que o Mário comprara num hipermercado, e do qual havia imagens de videovigilância. “São 4,99” disse a empregada. O Mário puxou de uma nota de 5 euros e disse “pode ficar com o troco”. A Joana tinha duas hipóteses: acusava-o de suborno de uma empregada do hipermercado, mas faltavam-lhe os benefícios, e, além disso, um cêntimo poderia parecer ridículo, aos olhos da opinião pública; ou então acusava-o de exibicionismo, por dar gorjeta, num clima de tanta precariedade laboral.

O outro caso era mais difícil: os bilhetes do Benfica. O camarote presidencial não tem preço, e isso poderia ser um pau de dois bicos: não tem preço, é “priceless”, ou seja, tem um valor incalculável; ou então, como não se vende, tem preço zero, e era pior ainda que a gorjeta de um cêntimo na compra da Nutella.

Optou por este último, criando algumas sessões de riso por esse mundo fora, quando o objetivo do país é o oposto.

Ato III

O caso chegou, caricatamente ao parlamento europeu, onde o Mário foi defendido, com unhas e dentes, por todo o espetro político português no hemiciclo – bem hajam -, e a Joana, envergonhada, mas saciada de sangue, arquivou o processo.

Não sei o que dizer.

————————-
2918-02-05
O curioso é que ainda ninguém percebeu isto. Ou se percebeu, calou-se. Ontem, no “Eixo do Mal”, um dos participantes – Pedro Marques Lopes – dizia que normalmente o Ministério Público, quando começa uma investigação, informa o Correio da Manhã para que este divulgue ao país. Mas desta vez, segundo ele, foi ao contrário: foi o Correio da Manhã que lançou a dúvida sobre a ida à bola do ministro, e depois o Ministério Público investigou.
Ó Pedro, será que estás a ver bem as coisas? Não terá sido novamente o Ministério Público a pedir ao Correio da Manhã para lançar a primeira bomba?

Não te encontres com amigos da net…

“O meu pai sempre me disse: não te encontres com amigos da net@”, foi o que me respondeu,um dia, um blogger, dos mais antigos do mundo, que vivia num prédio em frente, quando o convidei para beber um copo em Cacilhas.

Aliás, 3 dos 4 bloggers mais antigos de Portugal viviam em Cacilhas (margem sul, a verdadeira Margem Sul), num raio de 50 metros. A outra – uma miúda do outro mundo – era (e é!) portuense (volta a escrever, por favor).

Passados muitos anos, a rede tornou-se mais democrática e as redes de amigos vieram matar os blogs. Mas a questão mantém-se: será seguro conhecer pessoalmente os amigos virtuais?

Bem… o puto que me respondeu com a frase acima que me desculpe, mas é um parvo. Cruzámo-nos várias vezes na rua, eu, ele e a mulher dele (também uma blogger do top 10), que moravam a menos 50 metros de mim, e nunca lhes dirigi a palavra, por respeito à resposta que me deu quando o convidei…

Recentemnte, nas redes que mataram os blogs, conheci gente nova, gente virtual, ou talvez não, e depois? Qual é o mal?

A Andreia encontrei-a, por acaso na Rua das Portas de Santo Antão, depois do concerto surpresa do Prince no Coliseu, onde fui com a minha filha mais velha. Estava sentado numa pizzaria com o Nuno, mais a Maria João, e a Júlia, e vi-a passar para baixo… Quis chamá-la, mas não me lembrei do nome… Que desespero. Ela era igual às fotos que publicava na net@, fotos fantásticas, feitas por uma amiga dela que se foi há pouco, e que captavam a realidade dela tão fidedignamente, que não deixavam dúvidas. Era mesmo a… “Andreia”, gritei, eu. Ela olhou espantada, porque não me conhecia pessoalmente, nem identificava a minha voz, mas eu percebi e completei: “ainda há uns dias falámos na net@ sobre a Segurança Social”. A Andreia sentou-se na nossa mesa e ficámos ali a falar do excelente e surpreendente concerto do Prince. Encontrámo-nos, novamente, mais tarde, por acaso, em Cacilhas, e, uns meses depois, na Ria Formosa. Curioso.

A Fernanda, mãe do pai da irmã de um colega da minha filha mais nova, também é apenas um conhecimento etéreo. Quando fiz 50 anos, quis convidá-la para a festa, mas tive vergonha e não o fiz. Eu iria buscá-la a casa dela, se fosse necessário. É uma escritora excelente, já podia ter publicado os escritos que produz, maioritariamente após a meia-noite… Já a desafiei a ver quem publicava o próximo livro mais cedo: eu ou ela… Mas não sei qual de nós os dois vai perder. Torço para que ganhemos ambos.

A Alexandra é uma mãe carinhosa, e uma ativista furiosa, da minha idade, que nunca encontrei, mas com quem já combinei beber um café quando retomar a minha caminhada de norte a sul de Portugal, que quero terminar na próxima Páscoa. Vou fazer um desvio propositado para cumprir o combinado. Respondi-lhe, uma vez a uma notícia sobre piropos, a pensar que estava a falar com a minha prima Ana, e estive 4 dias a levar tareia de alguém que precisa de bater em alguém… Bem, pelo menos foi isso que eu senti.

A Clara foi e é uma surpresa constante. Mora a 300 km de mim, e já passei lá perto, nas minhas andanças a pé pelo país. Talvez nos cruzemos um dia destes. Mas tenho gostado imenso das histórias que leio, das preocupações, dos desafabos, dos sonhos… e tudo isto de uma genuinidade ímpar, assim o sinto.

Quando voltar a ver o autor da frase lá de cima, vou esbofeteá-lo para me sentir ressarcido do que perdi. E aí ele vai poder dizer: “o meu pai bem me tinha dito que não me devia encontrar com tipos conhecidos na net@”

——————————————–
Referências bibliográficas