Avaliação de cursos superiores

A comissão de avaliação chegou. Não a vi, nem vou ver – felizmente -, nem quero. Já vi muitas no passado.

Há as que só querem que chegue a hora do beberete, para avaliarem a qualidade dos comes e bebes.

Há as que já vêm com o relatório final escrito – a aprovar, ou a reprovar -, para poupar tempo.

E, enfim, há as que vêm mesmo fazer o que lhes compete: avaliar o curso. Mas essas pertencem ao passado.

DEFAULT CHARSET

Hoje precisei de apagar uma base de dados para repor uma cópia de segurança. Mas as cópias que eu faço, não guardam o comando de criação da base de dados, por isso, tenho que criar a base de dados antes de repor a cópia. E quando crio a base de dados, tenho que indicar o DEFAULT CHARSET, ou seja, o código de carateres utilizado.

Para saber o código de carateres, executei a seguinte query, antes de apagar a base de dados:

SELECT default_character_set_name FROM information_schema.SCHEMATA WHERE schema_name = "nome-da-bd";

Madeira, República das Bananas

A Madeira é uma República das Bananas

Eis duas notícias de hoje, que mostram o espírito de arbitrariedade que se vive na região:

1) Comandante leva canhão e militares para um torneio de golfe

O comandante levou uma peça de artilharia a um campo de golfe onde militares fardados mostraram a vários jogadores como funcionava esse equipamento militar.

2) Professora penalizada por se recusar a receber bispo

A professora recusou-se a receber o bispo, por não concordar com a ligação entre a escola e a Igreja. Esse facto consta, agora, do relatório da sua avaliação, e justifica a avaliação negativa.

O que vem a seguir? Uma ditadura de coronéis?

Loucura

Vivem numa ilha. Acasalam uns com os outros. Tinha que dar nisto.

Donald Tusk confirmou este sábado à noite que o primeiro-ministro britânico enviou a carta, depois da derrota no parlamento. Mas não assinou e enviou uma segunda carta, com a sua assinatura, em que diz a Bruxelas que adiar é um erro.
[DN]

A demência no mais alto grau. Este tipo anda a competir com o Trump para ver quem é mais anormal?

Na realidade, ele fez o que queria fazer, e ao mesmo tempo fez aquilo que o parlamento o obrigou a fazer. E, assim, passa a batata quente para a UE.

Do nosso lado, o que é que fazemos? Somos nós que temos que decidir o que aqueles parvos não conseguem? Damos-lhes um adiamento? Mais um? Para evitar um Hard Brexit? Queremos isso? É lícito fazermos isso por eles? Os britânicos são umas crianças? Não se decidem? Não se sabem governar sozinhos?

Sítios

Em 86, estava a dar aulas de matemática na Cidade Sol, e fui numa visita de estudo, com as minhas turmas e as profs das áreas sociais.

Rumámos a VNMilfontes para um banho nas praias do rio e tive que ir buscar uma aluna, já em desespero, quase a afogar-se, agarrada a uma boia a gritar. Gordinha, penso que era Sandra, o seu nome.

À volta passámos neste sítio, que me surpreendeu e me deixou seu amante para sempre.

(foto de junho de 2000, Fuji Velvia 50)

Talho

A minha irmã mais nova foi ao Talho.

O talhante tirou-lhe várias miudezas das entranhas, provavelmente para dar ao cão.

“Minha senhora, está curada”, disse-lhe o talhante.

Voltou para casa uns quilogramas mais leve e curada.

É a medicina que temos e aplaudimos.

As melhores eleições de sempre

As eleições legislativas do próximo 6 de outubro devem ser as melhores eleições de sempre em Portugal. Todos as querem ganhar, o país nunca esteve tão bem, e, na realidade, quase todos merecem o tacho.

Isso deixa o povo numa situação pouco comum: em quem votar afinal?

Votar é um dever, mas, com tantas dúvidas, os eleitores podem decidir ir tomar banhos de sol para as areias quentes das nossas praias. Por isso, para os indecisos – e para os outros também – aqui fica a tradicional ajuda do Chornal: o BOTÃO.

Mais uma vez, o Chornal cumpre a sua missão de entidade de interesse público – que lhe faculta um subsídio chorudo do Estado – e ajuda os eleitores nesta cada vez mais árdua tarefa…

Votar

Votar é importante. Nem que seja para baixar a abstenção e, com isso, motivar os outros no futuro.
A cruz, pouco interessa, nem sequer é uma opção da nossa iniciativa pessoal: os amantes de iogurte votam à direita, os de pão alentejano votam à esquerda.

É um desígnio que está acima da nossa liberdade individual. É o que comemos que aponta para o quadrado onde desenhamos a cruz. É o nosso estômago que vota.

Mas o voto é importante – um voto é importante – porque ninguém vota a dobrar.

Maturidade democrática

“O PS só não forma Governo porque não quer” 06.10.2015
“PS só não é Governo se não quiser” 07.10.2015

As frases de Jerónimo de Sousa, dois e três dias depois das eleições legislativas, que travaram a demissão de António Costa, revolucionaram as ideias no país e mudaram a política da Europa. É a isto que se chama uma revolução.

É claro que uma franja minoritária de fachos ressabiados arrastou-se com azia durante quatro anos, mas o país cresceu na sua consciência cívica e democrática.

Vamos ver o que acontece nas eleições do próximo mês.

Margem Sul

Há três meses atrás, ia eu a chegar à praia (da Mata), e vinha um casal a sair.
E diz ele para ela: “Isto é mesmo margem sul”.

Fartei-me de pensar o que quereria ele dizer com aquilo. Irritou-me e pensei para mim: “Não gostas? Porque não ficas tu com as tuas praias da margem norte? As praias da caca ralinha, como dizia o Herman José? Oeiras, Paço d’Arcos, etc.”

Na semana passada, fui a uma praia mais organizada, em São João da Caparica – que detestei, perceba-se – com sombreiros a imitar coqueiros, espreguiçadeiras enfeitadas com meninas bronzeadas de biquinis brilhantes, cabelos de coiffeur, bebidas exóticas com gelo e palhinha na mão. Lá atrás, no parque de estacionamento, bólides, todos todos eles acima dos cem mil. Nada disto é margem sul.

Percebi, então, o que o outro personagem queria dizer. Um mundo sem significado.

Fim do SNMMP

Pardal Henriques candidato pelo PDR deixa de ser porta-voz dos motoristas (in DN)

São Bento substitui Pardal Henriques e admite retirar pré-aviso de greve (in Público)

A greve anunciada para setembro nunca vai acontecer. O que é que se passou?

Como já tenho vindo a anunciar, o Pardal Henriques era candidato pelo Marinho Pinto e andava a fazer promoção pessoal à conta da credulidade dos motoristas.

Agora que a candidatura dele a deputado foi anunciada, o presidente do SNMMP começou a perceber que se arrisca a perder os clientes todos se mantiver a farsa da greve. E, portanto, vai desconvocar a greve e negociar um acordo igual ao dos outros motoristas, porque os patrões não lhe vão dar mais nada.

Os motoristas vão sentir-se enganados – perderam 20% do ordenado em agosto com esta brincadeira – e vão abandonar este sindicato de farsa.

Notem que este sindicato – o SNMMP – foi criado em novembro de 2018, estrategicamente menos de um ano antes das eleições, com o propósito único de descredibilizar o Governo.

E antes deste sindicato, onde estavam filiados estes motoristas? Não sei, mas é para aí que vão voltar. Este sindicato não dura até outubro.

Coquetails Molotov

Sem acordo “por 50 euros”, diz sindicato.
“Querem impor aumento”, acusam patrões.
(in DN)

Aparentemente, as partes não querem negociar.

O SNMMP (Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas) cancelou a greve anterior, provavelmente porque os motoristas já não aguentavam mais tempo sem trabalhar, e precisavam de equilibrar as contas para o salário que vão receber no fim do mês. Por outro lado, toda a comunicação da parte do sindicato parecia indicar uma abertura à negociação, o que aliviou, um pouco, a imagem negativa que os motoristas estavam a criar na opinião pública.

O sindicato avançou, para esta primeira ronda de contactos com os patrões e o mediador, com algumas precondições e valores mínimos de aumentos pretendidos. Em princípio, essas condições deveriam ser negociadas já em fase de mediação. Ao impor essas precondições, o sindicato mostra que não quer negociar.

Neste momento, e, olhando para trás, fico com a ideia de que o cancelamento da greve foi estrategicamente escolhido para os motoristas poderem respirar um pouco – principalmente no salário – antes de avançarem novamente para a greve, no próximo mês, fazendo pesar sobre o salário do próximo mês, apenas, a continuação da luta.

O objetivo principal é, desde o início, penalizar o governo. Foi isso que fez o Pardal Henriques, não só nas ações, ms também no discurso. Basta ouvri as entrevistas que deu nos 5 primeiros dias da greve que começou dia 12 de agosto: acusava sempre o Governo de ser o culpado, quando o Governo não era nenhuma das partes em conflito.

Se houvesse alguma dúvida sobre as intenções do sindicato, repare-se que foi fundado a 8 de novembro de 2018, a menos de um ano das eleições legislativas, e, em abril, já estava em greve.

Aguardam-nos mais uns dias de fila nos postos de abastecimento, e de jerricans carregados de gasolina. Os jerricans dão uns bons coquetails Molotov.

Nutella, Black Fridays e gasolina

Agora, no rescaldo da greve dos camionistas, pode ser que o pessoal que apelidou o Costa de fascizóide, por causa dos extensos serviços mínimos que decretou, pense um bocadinho. E aqui vai uma ajuda.

Lembram-se do episódio da Nutella, no ano passado em França? Eis uma citação do jornal Le Parisien: “As pessoas lutaram como animais. Alguém estava a puxar o cabelo a uma mulher, outra tinha uma mão com sangue. Foi horrível”. [1]

A Nutella não é caso único, aliás, todos os anos há pancadaria nos saldos da Black Friday.

Na crise de combustível da semana passada, houve também tareia em dois postos de abastecimento. Um deles aconteceu em Almada e foi filmado. [2]

Se o combustível faltasse mesmo – se os serviços mínimos fossem mesmo mínimos – e se os bens e serviços começassem a faltar, seria fácil este tipo de desacatos generalizar-se e espalhar-se por todo o país.

Mísseis na Gronelândia

Trump confirms he is considering attempt to buy Greenland

Comprar a Gronelândia e instalar lá mísseis de médio alcance apontados à Rússia, sai muito mais barato do que manter mísseis de longo alcance nos EUA. E se forem mísseis de propulsão nuclear, como o que rebentou na semana passada na Rússia, é bom que não estejam nos EUA, é bom que rebentem em cima dos esquimós.