The german economy death march

O banco central alemão, o Bundesbank, referiu hoje que a Alemanha, a maior economia da Europa, tem tido um início de ano instável.

Segundo os últimos dados, o Produto Interno Bruto (PIB) alemão encolheu 0,6% no último trimestre de 2012 e, já em janeiro, as encomendas à indústria e as exportações caíram inesperadamente, representando um revés para as esperanças de uma rápida recuperação.

– – –

A cegueira de Merkel

Estupidez. Não há outra palavra para definir a última decisão dos ministros das Finanças da Zona Euro. Impor uma taxa sobre todos os depósitos existentes nos bancos com atividade no Chipre é a prova, se mais fossem precisas, de que a Europa está a ser liderada por uma política herdeira dos hábitos soviéticos: Angela Merkel.

É um caso de TOP-Porca!

Primeiro ponto: estamos a falar de todos os depósitos, mesmo os abaixo dos 100 mil euros. O que significa que a lei europeia que garante a totalidade dos depósitos até esse valor é – ou passou a ser – letra morta. A partir deste momento, do ponto de vista formal, ninguém pode mais confiar nas leis europeias;

A questão é a seguinte: ou se deixava cair os bancos e só eram salvos (por respeito à lei) os depósitos abaixo dos 100 mil euros, para o qual existe um fundo de garantia; ou então injetava-se dinheiro público nos bancos — como aconteceu em Espanha, na Irlanda e em Portugal.

Dizem-me: mas estão a fazer isto para apanhar os russos milionários que lavam dinheiro no sistema financeiro cipriota. Ah sim? Realmente, os russos milionários devem ter menos de 100 mil euros depositados…

Qual é o problema desta política gangster: há o risco de o pânico se espalhar aos países intervencionados. Ou seja, das pessoas, o comum dos mortais, pensar: vou tirar o meu dinheiro do banco porque isto nunca se sabe no que vai dar.

Mas há outro problema: a fuga de capitais. Se a corrida às contas bancárias é ruidosa e espetacular, a fuga de capitais é 100% silenciosa. Só aparece meses depois nos relatórios do Banco de Portugal. Ora bem, com esta decisão o que Angela Merkel fez foi dizer a quem tem dinheiro nos países intervencionados, ou em risco de o serem, que mais vale mandar o dinheiro para outro sítio mais seguro. Não sei porquê, vem-me à cabeça a Alemanha, mas devo ser eu que sou paranóico e que nunca iria lá pôr um chavo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *