Simbolismos

… e eis senão quando o cabalista numismático, prior do heráldico, douto na velha arte do simbólico transcendente, me confidenciou:
“A crise, a crise! Portugal tem a melhor defesa contra os demónios do Euro.
Basta olhar para as moedas!
A defesa da nação está garantida pelos escudos quinais e pelas inexpugnáveis linhas de torres. Os pentagramas vermelhos, brancos, amarelos, vírus destruidores da harmonia telúrica e usurpadores do planeta, ficam de fora. Ao centro, a nossa preciosa herança comum, o DNA ancestral, eterna fonte de esperança, fado do destino cosmogónico, resiste e triunfa. Basta que cada um faça o seu trabalho. Os tempos são díficeis mas a esperança é inquebrável.”

Estupefacto, olhei para o porta moedas…
Ele há cada coisa…

Castelos e quinas a defender
Inexpugnáveis são as linhas de torres
Dois euros portugueses
Os pentagramas ficam de fora
O centro é sereno
Muitas são as ameaças

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *