A estupidez mata mais que o cancro!

14 de Janeiro de 1659.
A hora da verdade.
D. João IV falecera. O novo rei ainda era muito jovem e era a mãe que regia.
A Espanha, a poderosa Espanha, na altura o maior império mundial, acabava de dizimar a revolta catalã. Voltava-se agora para Portugal.
Um exército formidável apanhou Monção e avançava pelo Minho.
Um outro, maior ainda, avançava para Lisboa e cercou Elvas.
Contruiram 12 fortins e uma trincheira-vala que rodeava a cidade.

Assim que Elvas caísse, era um passeio até Lisboa. Já não havia nada que pudesse deter aquela horda.
“The situation is dire, sir”, assegurou o embaixador inglês no seu relatório para Londres.

O plano português foi concentrar forças e libertar Elvas. Depois Monção.
Foram buscar todos, todos, todos, até à Madeira e outros territórios, tudo e mais alguma coisa. E rapidamente e em força concentram-se em Estremoz.

Mas não chegava. Eram poucos e o inverno desenrolava-se em pleno.
Não se ataca no Inverno. Ponto final.
Também não se ataca a não ser que superioridade de forças seja de 3 para um. Ponto final. Parágrafo.

Mas Elvas tinha de ser socorrida. Na primavera os espanhóis seriam reforçados e seriam o dobro ou mais.
Tinha de ser agora, antes de eles receberem reforços.
Por outro lado, o nevoeiro matinal iria permitir supresa no ataque e impedir a artilharia deles de apontar.

Ataque-se pois! Contra tudo e todos e ao invés do que vem nos livros.
Poque é que esta decisão foi tomada assim? Porque o comandante era um Comandante e não um burrocrata!

Na véspera, ao tombar o sol, chega a tropa exausta ao arrebaldes de Elvas e defronta-se com um forte espanhol, o nº 4. O cenário dantesco abate-se sobre eles em toda a sua plenitude.
Como atacar, se somos menos do que eles?
Como atacar, se eles já estão fortificados e à nossa espera?

O comando português manda disparar uma peça para informar Elvas que tinham chegado. Os defensores respondem com outro tiro.

E agora?

Era preciso fazer qq coisa, qq coisa que activasse a estupidez castelhana. Então o Comandante escreve uma missiva ao comandante espanhol e despacha-a por um mensageiro de bandeira branca.
A missiva espanhola foi recebida com um rating de triplo-A. Mais exactamente “Ah Ah Ah”. Consta que era mais ou menos assim: “Venho libertar Elvas. Renda-se de imediato, para evitar um banho de sangue. Se não se render já, amanhã de madrugada atacamos o vosso fortim nº 4, esmagamos toda a resistência, desbaratamos o vosso exército, libertamos Elvas e V. Exa. será responsável por todas essas mortes inglórias”.

Depois do “Ah Ah Ah” veio o “Mas este gajo é maluco”. “Estes tugas são todos malucos” “Eles vão fazer qq coisa” “Ah pois vão, e de certeza de que não é no nº 4”. “Reforcem-se mas é os outros fortes junto ao 4, com tropas do 4 esta noite e com tropas dos outros a partir de amanhã”. E assim foi.

O comando português, atento, viu as saídas noturnas de tropa.
E de manhã, aquando da alba cheia de nevoeiro, atacou!

Atacou o forte nº 4!

O resto é história! Absolutamente inacreditável!
Ainda hoje somos Tugas!

Batalha das Linhas de Elvas
Sinopse da batalha das Linhas de Elvas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *