Máquina de lavar loiça – II

Ando há meses a tentar reparar a máquina de lavar loiça. Foi exatamente há 5 meses que comecei as tentativas de reparação.

O problema era que, a certa altura do programa, o motor do esgoto não parava de trabalhar, mesmo com a cuba já vazia sem água, e a máquina ficava horas assim: a tentar esgotar o inesgotável. De início isto acontecia após a prelavagem, ou após a segunda água. Mais tarde, já nem sequer conseguia colocar a máquina a trabalhar pois, assim que a ligava, mesmo com o botão no STOP, a bomba de esgoto não parava.

Li o manual da máquina e comecei pelas soluções mais simples: a limpeza dos filtros e dos braços de lavagem. Depois, limpei as pás da bomba de esgoto que estavam rodeadas de gordura petrificada. Limpei também o tubo de drenagem do esgoto e a válvula de não retorno. Continuava na mesma: a bomba de esgoto não parava de trabalhar.

Trouxe o compressor e a pistola de ar comprimido e soprei em todos os buracos do fundo da cuba. Saiu gordura de um desses buracos e pareceu-me ficar limpo. Mas o problema mantinha-se: a bomba de esgoto não parava.

Decidi abrir a máquina: desliguei todos os cabos (corrente) e tubos (água e esgoto), voltei-a de lado, tirei-lhe a tampa do fundo e procurei a saída do tal buraco engordurado. Era um tubo que se ligava, na outra extremidade a um sensor de pressão. “Ah!”, pensei, “deve ser este tubo”. Se o tubo estivesse entupido, podia estar a dar indicação de pressão de água na cuba e, com isso, informar a bomba para esgotar a água que não existia. Soprei ar comprimido no tubo mas estava limpo. Seria o sensor avariado?

Passaram cinco meses, nos quais aconteceu toda a merda que poderia ter acontecido e pior ainda do que devia ter acontecido, mas enfim…

Entretanto já todos se tinham habituado a lavar a loiça à mão. Bons tempos.

Ontem, depois de reparar a caldeira e poupar 500 euros com a não substituição do painel eletrónico de comando, decidi voltar à máquina de lavar loiça. Abri a máquina novamente e fui verificar o sensor de pressão. Retirei-o, soprei na entrada de ar e ouvi o interruptor a acionar: estava bom. Confirmei com um multímetro nos contactos elétricos. Procurei outras possíveis causas e encontrei outro sensor de pressão na bomba de circulação. Estava cheio de gordura petrificada: lavei-o, testei-o. Estava bom também.

Seriam os tubos entupidos? Retirei todos os tubos. Todos, sem exceção estavam envoltos numa gordura pegajosa. Lavei-os por dentro e por fora com água quente e detergente.

Montei tudo de novo e testei a máquina. Estava na mesma: a bomba de esgoto não parava.

Hoje, fui buscar o compressor novamente e disparei ar comprimido para o buraco que deteta a água na cuba: começou a sair gordura petrificada. Retirei talvez o volume de uma maçã de gordura petrificada desse buraco que tem cerca de meio centímetro quadrado de abertura. Com um arame soltava a gordura e com o ar comprimido fazia-a sair. Usei também água quente com vinagre para amolecer a gordura. Aquilo ficou limpo! Testei a máquina e estava na mesma: a bomba de esgoto não parava.

Não desisti. Fui ler o manual outra vez e não encontrei nada que não soubesse já. Fui, depois, pesquisar na net@. Já o tinha feito há 5 meses, durante vários dias, e não tinha dado com este artigo escrito há 9 meses: the Drain pump on my Miele G2150SCU dishwasher keeps running.

Porra! E lá estava a solução: era o detetor de inundação, que fica no fundo da máquina por cima do tampo inferior, que estava preso e informava a máquina de que havia água no fundo e que devia continuar a escoar. Tirei o painel frontal, junto ao chão, para poder aceder ao interior da máquina. Verifiquei o detetor de inundação: estava preso. Soltei-o e agora a máquina já funciona. Limpa, sem gordura: aguenta mais 15 anos.

3 comentários em “Máquina de lavar loiça – II”

  1. Que façanha!
    Quando penso que “só” tive de desentupir o cano de evacuaçäo do duche!
    … estava prestes a sair de casa, vou dar uma duchadazita rápida… a água näo só näo se esvaía mas já saía pelo ralo da sauna. A minha casa-de-banho era uma piscina!
    Mas com um raio, näo era isso que eu queria, e a discoteca ainda fechava!
    Bem, aquilo lá foi indo devagarinho, e só voltei à carga no dia seguinte.

    Nem com um arame comprido aquilo lá ia, com a breca… por sorte, a sala de lavagens tem uma mangueira de uns 20 metros, fui metendo, metendo, metendo com jeitinho (tenho prática de meter coisa grossa e comprida com jeitinho para näo aleijar outrém, logo näo foi problema), e (quase) pronto, eventualmente o rolo de cabelo (?) foi com os cäes, e o ralo desentupiu!

  2. Também tive uma dessas na cozinha, no ano passado. Foi uma guerra até conseguir desalojar uma bola de gordura petrificada que estava no cano do esgoto.

    Quanto mais água empurrava mais ela se afastava, mas o problema mantinha-se. Também experimentei um arame, mas nada.

    Tive que comprar um cabo de 5m com um gancho numa ponta e uma manivela na outra. À medida que avançava, dava à manivela e lá desalojei a gordura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *