Estado de espírito II

Torrentes antigas de dor
Que só há pouco fervilham
Jorram hoje a céu aberto

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *