Soltas

Uns falam, outros fazem.
As minhas palavras não valem nada. São apenas a expressão volátil da minha alma, o reflexo profundo, mas imediato, do meu âmago, das minhas vísceras incomodadas por tantas bestialidades.

Somos uns piolhos trémulos a vibrar na superfície eletrostática sinusoidal do universo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *