Não é milagre… é palhete!

E aqui vai mais uma lista de vinhos da parede.

Defesa, Alentejo tinto 2008, 14% de álcool, Touriga Nacional e Syrah. Ver outros artigos que falam deste licor.

Vinha do Infante, Douro tinto 2009, 13% de álcool, vinificado em lagar, estágio em inox. Um vinho da Quinta do Infantado. Um vinho absolutamente honesto, o melhor vinho honesto que já bebi. Com um misto de sabores mediamente complexo, uma muito boa mistura de ácido, frutado e doce, um pouco encorpado, fluido… Um vinho sem pós-produção (daí a honestidade), mas sem mácula também.

Quinta do Infantado, Douro tinto 2009, 14% de álcool. Vinificado em lagar e pisa-pé, estágio de 12 meses em carvalho, sem filtração. Mais elaborado que o anterior, mas ainda assim um vinho igualmente honesto, mais denso e mais doce.

Adega São Miguel dos Descobridores, Alentejo tinto 2010 Reserva, 13,5% de álcool. Mais um vinho da adega do pingo doce, que só tem vinhos de refugo. Se não houver mais nada, bebam água.

Bafarela, Douro tinto 2009 Reserva, 14% de álcool, Touriga Nacional, Touriga Franca, Tinta Amarela, 10 meses em carvalho francês. Um standard.

Adega de Pegões, colheita seleccionada, Terras do Sado tinto 2008, 14% de álcool, Touriga Nacional, Trincadeira, Cabernet Sauvignon e Syrah. Mais alcoólico que o 2007, mas o sabor mantém-se. Deve ter truque.

Dorna Velha, Douro tinto 2007, 13% de álcool, Tinta Roriz. Mais ácido que doce. Talvez precise de passar mais uns anos a descansar.

Avidagos, Douro tinto 2008, 13% de álcool, Touriga Nacional, Tinta Roriz, Touriga Franca, Tinta Barroca… Conhecem um tipo chamado Alzheimer?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *