História de Natal

Passei o dia todo a montar os projetores para iluminar o jardim do terraço e agora à noite, depois de ter terminado, pedi à Maria para vir ver. Mandou-me tirar isto…

Só visto. Um dia inteiro a trabalhar. Claro que não vou tirar. É a eterna falta de entendimento entre homens e mulheres…

Depois pedi aos miúdos – um a um – para irem ver e comentarem. Todos gostaram, sem exceção.
“É giro”, disse a mais velha.
“É bonito”, disse o mais velho.
“É lindo”, disse a mais nova.
E ao mais novo não lhe perguntei, porque estava ao lado da mãe, mas ela confirmou-me que ele tinha gostado.

É uma história de Natal.

Química revertida

Obrigados a pagar curso para usar pesticidas

Todos os agricultores que compram, manuseiam ou aplicam pesticidas têm de obter uma licença, que passou a ser obrigatória a partir do dia 26 de novembro

in CM
velhotas com aspersor de calda bordalesa

Acho muito bem. Os velhos são os gajos mais perigosos a usar pesticidas. Usam a química a torto e a direito, despejam aquilo em todo o lado. Não têm consciência ambiental nenhuma.

Uma coisa é ter uma horta, a família ter uma horta há 700 anos, e tratarem dos hortícolas e das árvores. Outra coisa são os pesticidas – a talidomida para exteriores – que surgiu no pós-guerra e que os velhotes usam como “remédio”.

Para os velhos, a Química foi a revolução do Amor… Bem para muitos novos também, mas enfim.

Acordo histórico sobre o clima… Será?

Histórico. 195 países prometem travar o aquecimento global

Foi um momento histórico. Ontem, às 19.27 em Paris (18.27 em Lisboa), os responsáveis dos 195 países reunidos na cimeira do clima concordaram reduzir as emissões de gases com efeitos estufa. Após duas semanas de negociações e do adiamento do encerramento, marcado para sexta-feira, os políticos chegaram a consenso, assumindo um compromisso ambicioso: limitar a subida da temperatura a 1,5 graus, em relação à era pré-industrial.

in DN

O acordo é para começar a ser levado em conta, pelos países signatários, a partir de 2020 apenas…

Para daqui a 5 anos? Então não há acordo nenhum.
Há é um prazo de 1825 dias para voltar a dizer não.

Mais um disparate científico

Um minúsculo insecto australiano vai combater as acácias em Portugal

Este tipo de operação, “se for mal feita, pode dar muito mal resultado”, afirma Hélia Marchante, investigadora do Departamento de Ambiente da Escola Superior Agrária de Coimbra, que há anos trabalha neste projecto. O principal risco seria o de outras plantas virem também a ser afectadas. (in Público)

E os efeitos colaterais, não previstos pelos “cientistas”, e que podem ser colossais ou devastadores? Lembrem-se da mixomatose na Austrália, que foi criada para “controlar” os coelhos. Neste momento mata coelhos por todo o mundo.

Já cá temos a vespa asiática que mata as colónias de abelhas. Agora juntam mais esta e pode ser um pote de imprevisibilidades.

Algodão da oliveira

Descobri, esta semana, que uma das minhas oliveiras tinha um parasita. A oliveira é pequena e limpei-a à mão. Hoje havia mais e voltei a limpar. Procurei na net@ e descobri que a maleita se chama algodão da oliveira.

Vou procurar uma solução ecológica para o problema e depois comunico. Entretanto fica aqui o que descobri.

algodaoHá vários sítios que descrevem a maleita, de nome cientítifo Euphyllura olivina, um inseto que se alimenta da seiva e pode originar a falta de desenvolvimento na árvore. O efeito é visível nas ramificações e folhagens, através de uma secreção branca que está presente e que se assemelha a resquícios de algodão [1].

Noutro local [2], encontrei informação mais detalhada e organizada:

Euphyllura olivina Costa

Morfologia

Ovo – elíptico, cor branca quando recém colocado e amarelado próximo da eclosão, com um pequeno pedúnculo que o liga ao raminho.
Ninfa – de cor amarelo pálido a ocre, corpo achatado e olhos vermelho brilhante.
Adulto – de pequeno tamanho e de cor verde pálido, o terceiro par de patas é mais desenvolvido e adaptado ao salto.

Bioecologia

Passa o Inverno sob a forma adulta e refugiam-se nos ramos, folhas e gemas axilares.

No início da Primavera fazem as posturas agrupadas nas folhas jovens, gomos apicais e gomos axilares.

Após a eclosão, as lavas formam colónias perto das posturas, alimentando-se da seiva da oliveira e desenvolvendo massas semelhantes a algodão, geralmente nos botões florais.

Prejuízos

No estado de ninfa e adulto sugam a seiva elaborada podendo comprometer o desenvolvimento da árvore, principalmente em olivais jovens.

O ataque nos botões florais pode provocar a infertilidade e quebra de produção.

A instalação da fumagina provocada pela secreção de melada, pode resultar num prejuízo relativo.

Na geração outonal os seus ataques podem produzir queda de frutos muito significativa.

Monsanto’s BFF

L’Union européenne autorise 19 OGM et met tout le monde en colère

“Le feu vert donné par la Commission n’est pas du goût des États opposés aux organismes génétiquement modifiés. Le projet de réforme qui l’accompagne fâche les États-Unis et l’industrie chimique.”

“C’est une décision qui ne satisfait presque personne. L’Union européenne a autorisé ce vendredi l’importation et la commercialisation de 19 organismes génétiquement modifiés (OGM), sans que les Etats membres ne se soient mis d’accord sur une proposition de réforme leur permettant d’interdire ces fameux OGM sur leur territoire respectif. La France, les écologistes et les Etats-Unis sont vent debout contre cette autorisation immédiate, qui s’impose à tous les pays. Explications.”

10377524_903195019723696_6000789673620578226_n

Quanto é que o Juncker recebeu desta vez?

Novidades dos enxertos

Já pegaram os dois enxertos que fiz no pessegueiro a meio de Fevereiro.

18284_881734388536426_4602217830158775958_n

A árvore em baixo era um pessegueiro selvagem que dava pêssegos pequenos, amargos e sempre estragados. Enxertei com um ramo de pêssego de roer (enxerto da direita) e cereja preta (enxerto da esquerda), E ambos têm já botões a rebentar.

A nhanha rosada que se vê em cima do tronco hospedeiro é cera de abelha com um cicatrizante à base de cinzas de pinheiro.

Enxertos de pessegueiro

Enxertei hoje os pessegueios. As oliveiras vou deixar para maio, que é a época mais apropriada. Ficam aqui as fotos dos três pessegueiros enxertados.

Pessegueiro enxertado com pêssego de roer (à direita) e cerejeira (à esquerda)
pessego-1

Pessegeuiro ainda no vaso, enxertado com pêssego de roer
pessego-2

Pessegeuiro ainda no vaso, enxertado com pêssego de roer
pessego-3

Enxertos

Amanhã vou enxertar um pessegueiro e duas oliveiras. Ficam aqui algumas dicas.

Enxerto de borbulha

Enxerto de garfo: Enxertia de garfo para principiantes

Enxerto de oliveira

PDFs com informação para enxerto de oliveiras:
Enxertia de Oliveiras (1)
Enxertia de Oliveiras (2)

Períodos mais apropriados para os enxertos (de SRARN)

Espécie Época de enxertia
Abacateiro Junho a Setembro
Ameixieira Janeiro a Março
Anoneira Março e Maio
Castanheiro Março e Abril
Cerejeira Janeiro a Março
Citrinos Março a Setembro
Damasqueiro Janeiro a Março
Diospireiro Fevereiro a Março
Macieira Janeiro a Março
Mangueiro Junho a Setembro
Nespereira Junho a Agosto
Pereira Janeiro a Março
Pessegueiro Dezembro a Janeiro

 

Sementeiras de outono

Encontrei na net@ uma solução fantástica para a falta de espaço na horta, assim como para o excesso de fundos de palete que tenho aqui por desmontar.

96f910683d6dd06c5b2d7043762306ac

Nem preciso de as desmontar, basta pregar mais umas tábuas e começar a sementeira.

Estive a ver na net e vou usar isto para semear: alho, alface, cebola, coentros, salsa, rabanetes e couves. E talvez favas e ervilhas.

São as sementeiras de setembro e outubro. [1] [2]

A oliveira mais antiga…

A oliveira mais antiga do mundo!
Bem… como vou enviar isto para aprovação pela UTAD vou ser um pouco mais comedido que o usual.
Provavelmente esta é a oliveira mais antiga do país, deverá ter mais de 3000 anos.
Tem 10,32m de perímetro na base, 8,1m de altura, e 11m por 10m de diâmetro na copa .

Eis uns links do Público e do DN, com notícias sobre oliveiras velhas:

A oliveira atualmente considerada “a mais velha” tem apenas 10,15m de perímetro na base e esta tem 10,32m. Além disso, esta tem quase o dobro da altura.

Ficam aqui alguns registos, em vídeo e imagem, da árvore, depois de eu ter estado 4h a desbastar as silvas, com mais 2,5h de ajuda da minha irmã, num total de 6,5h de trabalho.

IMG_20140821_172350

IMG_20140821_172527

IMG_20140821_181421

Coloquei o meu carro à frente da oliveira para se poder estimar a altura. O carro é um Mitsubishi Space Gear 4WD, com 2m de altura e 4,5 de comprimento. Note-se que há um efeito de perspetiva, porque o carro está um pouco acima da base da oliveira e está à distância de 6m do centro da oliveira. Antes disto, eu tinha estimado uma altura de 8,1m, a partir da altura de um adulto encostado à árvore.

Algumas fotos de antes da desmatação (há 3 dias atrás):
20140815_184224

20140815_184314

A estimativa das dimensões da copa foi feita com base num mapa de satélite do Google Maps. Segue a imagem:

oliveira

2 dias depois…

Hoje, 23 de agosto, fui medir a sombra da copa da oliveira. Eram 11h30m, a sombra estava bastante vertical. O mais vertical em Portugal continental, de verão, é às 13h30m, e no dia 21 de junho; e ainda temos um arco de quase 14º até ao trópico de câncer, onde é mesmo vertical. Mas apesar de tudo, a deformação da copa na sombra projetada não deve ser muito grande. O diâmetro máximo da sombra da copa é 11,8 metros. Não medi o diâmetro ortogonal a este, mas se olharmos para a imagem de satelite do google maps acima, podemos estimar, proporcionalmente, uma copa com 11,8m por quase 11m.

Juntos pela oliveira com mais de 3000 anos!

oliveira-familia

Horta XVI

Na sexta-feira, movi dois canteiros elevados para um canto do quintal. Primeiro, apanhei todas as cenouras e pastinacas que faltavam: eram quase dois quilos. Aligeirei a terra dos lados e movi as duas caixas.

Depois, transportei 3 toneladas de terra para a nova localização. À meia noite, semeei os tomates, pimentos, pepinos, cornichons, cenouras e pastinacas.

No dia seguinte ainda semeei umas abóboras e melões. Depois, coloquei os tubos para a rega e os suportes para o plástico. Cobri os canteiros com plástico para resguardar as culturas do frio de inverno que ainda há de vir e já está.

Vamos ver se os bichos da conta não me dão conta dos tomateiros.