Mamalhudas on the road

Hoje o dia foi profícuo em gajas. Começou logo pela manhã num supermercado de estrada. Não havia sítio onde pousar os olhos, pois todo o sítio era sítio de gajas. Desde rabos ao léu a mamas enormes.

Depois, na praia, as mamas eram tão grandes que, quando iam ao banho, a maré enchia (não é só a Lua que enche a maré). O mar estava batido e até as adeptas do soutien, entravam com os marmelos tapados e saiam com os ditos de fora.

Trouxe umas recordações para animar este blóguio daqui a uns dias. Vão passando por aí.

Duas meias-ratas

Duas meias-ratas não são uma rata completa.
Duas meias-ratas dão duas meias-tusas.
Duas meias-tusas não são uma tusa completa.
Mas deixam um gajo entesado uma manhã completa.

Uma das meias-ratas era uma rebolona que se rebolava toda e ora destapava parte das mamas para as olear com bronzeador, ora rolava no chão sobre a esquerda ou sobre a direita. Acabou por deixar meia-rata de fora. Rosadinha como o restante do rabo e do corpo, e sem pelo.

A outra meia-rata veio a nadar lá do fundo e, quando chegou cansada, trazia meia-rata de fora. Como era amiga, ainda puxou a cuequinha para a frente para ajeitar a bicharoca. Branquinha num corpo bem brozeado, mas não vê lâminha há uma semana.