Bacalhauzada de Massa

Nos tempos que correm não há publicação digna que não tenha uma secção de comidas. Aqui já temos a de bebidas, e há que dar ideias de como ensopar aquela pinga toda.
Onde tirei o curso de culinária? Na cozinha da minha avó! Um saber de experiência feito!
Não esperem dessas mariquices gourmet que se sai da mesa com mais fome com que a que se entrou, aqui é para comer até cair de cu.
Ora então vamos lá a ver:

0,5 kg de Bacalhau
1 Cabeça de Alho
1 Cebola
1 Pacote de Natas
0,5 Kg de Macarrão Grande Riscado
Sal e malagueta q. b.

Deixar fritar os alhos e a cebola (tudo às rodelas), juntando-se então o bacalhau (convém ser demolhado) o mais desfiado possível.
Quando estiver no ponto, juntam-se as natas.
Atenção que as natas devem ferver o menos possível!
Juntar o macarrão, entretanto cozido al dente, envolvendo bem.
Serve-se polvilhado de hortelã picada.
Para acompanhar um branco maduro fresquinho.

O empreendedorismo em Portugal

O novo mantra é “empreendedorismo”. Vai-nos salvar da crise, vai por pão na boca de cada português, vai fazer de Portugal uma potência económica!!!

É bem: afinal os portugueses (como todos os sul-europeus) são uma cambada de calões, é bom que se finalmente se mexam, e criem empresas!

estrela de pastéis de nataEntretanto, alguém que informe os gajos do Banco Mundial que coligiram estes dados que se engararam! Então não é que aparecem coisas como:

PMEs por 1.000 habitantes (por volta de 2003)
—————-
Itália 77,876
Espanha 73,015
Grécia 69,941
Portugal 66,373

Finlândia 42,394

EUA (Eldorado do empreendedorismo) 19,985

Suíços rejeitam mais férias para imigrantes

classificada001Este suíços säo doidos… Serão?

Comentou-se de que “Não é por os suíços serem um povo muito virtuoso e amante do trabalho que o referendo deu o resultado que deu.
Os empresarios e os profissionais liberais, que suponho serem maioriariamente suíços, não são geralmente o público que está mais interessado em leis que alarguem o período de ferias. Esses pagam os encargos das férias dos outros, o que não será do seu interesse. E se lhes apetecer ter férias, tiram as que que acham necessárias e convenientes sem terem que preocupar com leis.
Já os outros, os assalariados, esses estão dependentes das leis ou da boa vontade dos seus empregadores para terem umas folgazitas.
Ora, se o habitual na vida de imigrante é fazer o trabalho que não seduz os naturais. Num pais onde quase um quarto da população é imigrante, é fácil de entender que uma percentagem bastante grande do público que teria interesse nessa lei não pôde votar nela.”

Os suíços têm muitos referendos anualmente, mas só este chamou a atenção dos merdia tuga. Na calha está outro para subir o ordenado mínimo para cerca de 3.300€… embora a Confederação Patronal já tenha dito que para alguns cantões é pouco.

É bom que os merdia tugas näo falem muito da Suíça mesmo… podem-se descobrir coisas inconvenientes como esta na Constituição deles!!!

Passos demite-se, venha o Borges

No seguimento da baixa de notação da dívida portuguesa para “lixo” pelo Fitch, o Sócrates foi com os cães. Depois de ter havido uma Greve Geral, não durou 6 meses.

Passos Coelho, ainda antes desta outra Greve Geral, já avisava que não era homem para aguentar com o crescente conflito social. Falava em mandar a polícia se alguém se atrevesse a afrontá-lo. Em resposta, o Exército disse que estava do lado do povo. Depois, promulgou um Orçamento que vai condenar o País à miséria, esperava ele passageira. Mas agora o Fitch cortou-lhe as vazas.

O que vai acontecer em breve é ele voltar para a calma de Massamá, a ver se não lhe limpam o sebo da próxima vez que for a banhos à Manta Rota. A Troyka vai exigir que apareça um Chefe de Governo “tecnocrata” que continue a implementar “reformas” austeritárias, a bem da Nação. Um gajo que conheça os meandros do FMI, por exemplo. Tipo o Borges. Que, veja-se a sorte, até está disponível!

Femen, venham a Portugal…

Mais um protesto da Femen, desta vez no Vaticano. Ao polícia é que ninguém retirar o sorriso da cara enquanto “mantinha a ordem”.

belas mamocas

“As Femen formaram-se em 2008, numa Ucrânia toldada pelo turismo sexual em que 70 por cento das estudantes universitárias já foram interpeladas para ter sexo por dinheiro, de acordo com uma estatística citada há um ano pela revista alemã Der Spiegel. Desde então têm aparecido várias vezes em protestos dentro do país, e algumas vezes na Europa.”

Só 70%? Serão 30% das universitárias ucranianas feias?

De qualquer modo, feias ou não, isto é coisa que se faça, sr. polícia? Nem sozinho consegue conter o protesto, que tem de chamar o amigo? Que péssima eficiência…

boa!

Quando virão protestar para Portugal?

A pergunta do momento

O Chornal teve acesso a uma sondagem oficiosa do Governo.
À pergunta “Você viveu acima das suas possibilidades?”, resultou que

5% disseram SIM, NÃO É NORMAL?
42% disseram SIM
20% disseram TALVEZ
4% disseram NÃO
11% disseram VÁ PRA P*T* QUE O PARIU MAIS ESSA CONVERSA!

Só por uma inacreditável coincidência os resultados são semelhantes a esta sondagem.

Europa corta cordão, Parte II

O Presidente do Eurogrupo mandou o Obama meter-se na vida dele. Diplomaticamente, foi uma mistura entre “vai levar no dólar” e “gosto pouco que me estejam a especular e eu a ver”. O Obama, também, de barraca em barraca já perdeu tanto os seus eleitores americanos como os seus não-eleitores europeus.

Entretanto, o Barrão Duroso segue os ensinamentos de Louçã e já quer impostos sobre transações financeiras (um ano depois) e obrigações europeias (seis meses depois). Ou será que essas medidas já constavam do Livro Vermelho de Mao que o “ex-PM por fuga” lia afincadamente na juventude? Não sei, que nunca li, aquilo para mim é chinês.

TGV… mas à portuguesa

Governo prepara-se para estudar fazer o TGV apenas com um carril.
Afinal parece que se näo houver TGV se perdem os fundos comunitários que financiariam a sua construçäo em 90%. A UE é lixada. Que saudades do tempo do Cavaco, em que eles mandavam o dinheiro e näo vinham ver se era bem usado ou näo!

Como tal, e näo querendo tocar na construção de novas auto-estradas (que estarão vazias como 80% das actuais), as tais que säo financiadas a 0% pela UE, há que encontrar soluçöes engenhosas. Daí terem agora lançado o repto de fazer o TGV em via única, caso único no Mundo. Segurança? Isso é para maricas!
Mas PPC quer ir mais além, como com o memorando da Troika: Portugal será o único país do Mundo com TGV de carril único. E se possível, com tráfego simultâneo nos dois sentidos na mesma. Não é possíveis, ó gente de pouca fé? Veremos! Precisamos é de visionários destes!

O chornal sempre à frente.

O euro a ver-se… grego

O euro chegou-nos aos bolsos em Janeiro de 2002, lembram-se?
Eu gancei-me logo a eles assim que pude, logo na volta do Revelhão. Nem que fosse por mais nada, andar pela Europa sem ter de mudar de notas era um alívio.

Diziam na altura que o objectivo era a paridade com o dólar, e nessa data até andava abaixo dele, a 0,9 dólares. Entretanto passaram uns anitos e o euro foi subindo, subindo, subindo. A bem dizer, antes do descalabro de meados de 2008, tinha valorizado apenas e só uns 80%, até 1,6 dólares. Não admira que as exportações alemãs tenham tido de ir para o Sul da Eurolândia, que lá para os EUA elas estavam pela hora da morte.
Quem não estavam nada contentes eram os chineses, que tinham montanhas de dólares em reservas que estavam a ver que não lhes serviriam nem para se limpar por baixo…
… entretanto veio a crise financeira dos EUA, mas o euro é que foi caindo… e levantando. Mesmo assim, os chineses lá foram comprando os seus euritos, pouco de cada vez, não mais que desse para 3 aeroportos por dia! Até que em Junho de 2010 caiu mesmo para 1,2 dólares, mas depois subiu 15% em 6 meses (o que é manifestamente muito), mesmo com o despoletar das crises da dívida.

Este ano, apesar dos ataques especulativos e ratices das agências de notação  (já lhe chamaram guerra)  o euro quase bateu nos 1,5 dólares.  Agora, com as convulsões gregas o euro está a vir por aí abaixo outra vez. Os chineses é que continuam a rir, porque eles bem vêem o que se passa por terras do Ti Samuel (e nem precisam de ver os filmes do Michael Moore), quando são as maiores economias (tipo Califórnia) a entrarem em bancarrota, e assim compram mais euros (e empresas europeias) a preço de saldo.

Entretanto a Alemanha faz-se difícil. Fazem-se rogados até ao último momento e dizem que não vão ajudar, forçando a Grécia a inventar mais impostos para fazer descer o défice –ainda agora lançaram um sobre bens imobiliários de luxo– visto saberem os trafulhas que governam aquele país. Mas no fim, claro que ajuda. Pudera, a quem interessa mais que à Alemanha que o euro continue, firme e hirto?

Ah, pois, aos chineses. Mas esses, como sempre, caladinhos, só dizem 讓我們 這些 它降落…