Arquitontos

Com o que vejo de arquitectura e com o que o alex me tem dito, qualquer dia um arquitonto qualquer projecta uma casa de banho numa àrvore, por cima de uma mesa de piquenique para que, quando os pássaros vierem às migalhas, lhes possamos cagar em cima.

Afinal é esse o derradeiro desejo da Humanidade!

Eheheh.

100 anos

Hoje fomos comemorar os 100 anos de dois velhos amigos meus para o Procópio: o PP e o RR.
O Jorge Psicométrico contou uma que eu não me lembro se já tinha ouvido, mas fartei-me de rir e fica aqui:

“O Lobo Mau lá ganhou coragem e voltou a passar junto da casa da avózinha. Espreitou pela janela e viu o Pinóquio de joelhos com a cabeça entre as pernas da Capuchinho Vermelho, completamente escancarada, que gritava: ‘Mente, Pinóquio, mente’. Diz o Lobo Mau: ‘Foda-se, esta história mudou como o caralho’.”

Prós Copos

Saí às 23h, parei ao pé do Nuno e perguntei-lhe se queria vir p’rós copos para Lisboa. Ele declinou: tinha as filhas sozinhas em casa, e eu lá fui p’rós copos sozinho.

Cheguei ao p’rós copos e lá estava a trupe toda: o Raul do DNS, o Zé dos Macacos, o Paulo do Evil Empire e o Cacilheiro. Entretanto chegou o Miguel Beleza, enquanto eu contava uma história de inspectores fiscais que gostam mais de luvas do que de fiscalizar, o gajo não gostou da confusão e foi-se sentar noutra mesa. Lá ao fundo, na TV, passava a nova série da SIC, “Jura”, com um puto que foi nosso aluno, um arrogante do caraças, de quem não vou aqui dizer o nome.

Contaram-se montes de anedotas, que eu não costumo ter jeito para repetir, mas vou tentar.

Um velhote e uma velhota estavam casados há imensos anos. Sempre tinham vivido uma vida pacata, sem sobressaltos matrimoniais. Um dia a velhota foi dar com outra velhota agarrada ao seu velhote. Ou melhor, com uma mão agarrada às partes íntimas do velhote. A mulher, indignada, perguntou ao marido: “O que é que ela tem a mais do que eu?” E o marido respondeu-lhe: “Parkinson”.

Um velhote de 80 anos juntou-se com uma miúda de 20, mas dormiam em quartos separados. Assim que se deitavam, o velhote levantava-se, ia ao quarto dela, dava-lhe uma queca e depois voltava para o quarto dele. Daí a pouco, levantava-se, ia novamente ao quarto dela, dava-lhe outra queca e voltava ao quarto dele. Um pouco mais tarde, levantava-se outra vez, ia ao quarto dela, dava-lhe uma queca e regressava ao quarto. A rapariga começava a ficar espantada com a vitalidade do velhote. E lá estava ele outra vez, para mais uma queca. Às tantas, ela perguntou: “Outra vez?”. Ao que ele retorquiu: “Porquê? Eu já cá estive?”. É uma das vantagens do Alzheimer!

Tartaruguinha

Um tipo sem pernas nem braços, que nunca tinha ido à praia, pediu aos amigos que o levassem. Os amigos, lá se juntaram, pegaram no tipo ao colo e levaram-no para a praia. O tipo deliciou-se com a paisagem e principalmente com as miúdas de bikini.

Lá para o fim da tarde, os banhistas começaram a abandonar o areal e os amigos foram beber umas cervejas para o café.

A praia ficou deserta…

… e a maré estava a subir.

O tipo apercebeu-se e começou a entrar em pânico. A água aproximava-se cada vez mais e ele não se conseguia mover: o desespero aumentava a cada onda. Começou a gritar, a pedir ajuda, mas não havia ninguém em redor que o pudesse ajudar.

A água já lhe molhava as  costas quando avistou um vulto lá ao fundo, que se aproximava. Começou de novo aos berros a pedir ajuda.

Quando o homem se aproximou mais, percebeu que cambaleava. Mas tudo bem, ainda assim deveria conseguir ajudá-lo.

“Socorro, socorro. Tire-me daqui, por favor.” – gritou quando o homem chegou perto.

O homem, cambaleante e a cheirar álcool, baixou-se, pegou-o ao colo e avançou para a água. “Está bem tartaruguinha, está bem. Eu levo-te para dentro de água.”

Um dia no paraíso

Um dia Adão e Eva têm uma tremenda discussão. Fartos de se andarem a comer um ao outro separam-se. Eva, que não podia passar sem uma boa queca, desesperada, decide procurar um parceiro. Ia a andar, encontra um gorila a dormir numa árvore e diz-lhe:

– Gorila damos uma trancada?

– Tu és maluca! Eu só como macacas!

Eva desesperada sobe à árvore atrás dele e o gorila foge. Eva não o apanha mas ainda lhe consegue arrancar alguns pelos do cú…Mais tarde, Eva encontra um dinossauro a dormir, acorda-o e diz:

– Dinossauro come-me toda !!!!

O dinossauro olha para ela de alto a baixo e diz :

– Tu deves ser louca! Já viste que a minha sarda é maior que tu!!!

Eva furiosa manda um pedra ao olho do dinossauro, fá-lo cair da falésia abaixo e ele morre… Completamente rebarbada Eva passa por um lago e vê um peixe aos saltos. Mergulha, vai ter com ele e
pergunta-lhe se quer dar uma queca. O peixe todo contente diz que sim. Eva vai então para a margem do lago abre as pernocas. O peixe salta da água e vai para dentro e para fora várias vezes e Eva lá consegue ter a sua queca. . . . . . . . . . . .

QUAL É A MORAL DESTA HISTÓRIA?

1º – Já sabemos porque é que os macacos não têm pelos no cú;

2º – Já sabemos porque é que os dinossauros desapareceram;

3º – Só não sabemos qual era o cheiro que os peixes tinham antes.

Jesus observa-te

O ladrão estava a sacar coisas de uma sala, pela calada da noite, para dentro de um saco.
De repente ouviu: “Jesus está a observar-te”. Assustou-se, olhou em volta, mas não viu nada no escuro e continuou a “arrumar”.
Ouviu outra vez: “Jesus está a observar-te”. Acendeu a luz e viu um papagaio.
“Ah! Um papagaio!… Então, oh louro, como é que te chamas?”
“Judas”, respondeu o papagaio.
“Judas? Quem é que te pôs esse nome?”
“O mesmo gajo que chamou Jesus ao Rottweiler.”