Vivá Troika!

Beethoven
Karajan
Deutsche Grammophon

É um triunvirato sem par. Inultrapassável. Hoje, ao ouvir a 5ª sinfonia gravada por uns amadores interroguei-me se alguma vez teria sido um fã do Beethoven se não fosse a troika. Provavelmente não. A gravação que ouvi hoje parecia gravada na sala da banda filarmónica onde toquei fliscorne durante 3 anos. Ouvia-se o eco dos instrumentos a bater na parede. Além disso, o forte, o muito forte, o piano e o pianíssimo do Karajan são escolhidos a dedo. E a micagem da Deutsche Grammophon é imaculada. E, por fim, a mistura da dupla Karajan/Deutsche Grammophon é final. Ninguém consegue fazer melhor.

Vivá Troika!

Free

Beethoven, o criador do FREE. Oiçam bem a apoteose final do 5º andamento, mas oiçam tudo antes para perceberem o final e identifiquem a criação do estilo free na música moderna.

Vinhos de noitada

Fomos ver o Quarteto Vitaminas + Naná ao Cacilheiro do Tejo, no Seixal. Sem palavras.

Terras do Crato, Alentejo tinto 2008, 14%, Aragonês, Trincadeira, Merlot e Cabernet Sauvignon. Gostámos imenso, uma bela pomada, um vinho novo com um sabor predominantemente doce e ligeiramente adstringente..

Seguiu-se um Diálogo, Douro tinto 2005, 13%, sem mais info, já meio velho e cortado pelo tempo. Bebeu-se bem e houve quem quisesse repetir. Mas como eu tinha ainda o jantar na pança, pedimos um vinho mais novo.

Ermelinda de Freitas, Sado tinto 2007 Reserva, 14,5%, Castelão, Touriga Nacional e (um pouco de) Syrah, com 12 meses de estágio em carvalho. Um vinho com um sabor doce mas embebido em madeira qb para deixar o pessoal sentado a ouvir mais uma música.

Os Vitaminas + Naná são os maiores!