Lepra do pessegueiro

Infelizmente os meus pessegueiros foram infestados por Taphrina deforms, ou lepra do pessegueiro. Procurei na net@ uma solução ecológica para evitar ter que usar químicos marados que me envenenassem o terreno. Aparentemente há uma solução muito simples para o problema: sumo de limão com água.

O sumo de um limão misturado em 10 litros de água e aspergido sobre as folhas do pessegueiro parece ser uma solução para o problema. Vou experimentar e depois digo qualquer coisa.

Uma outra cura preventiva para o problema parece ser colocar um saco de rede com cascas de ovo pendurado no pessegueiro antes da floração. No próximo ano experimento isso. Eis o que eu saquei deste sítio:

  • Colocar várias cascas de ovos dentro de um saco de rede (eu utilizei um daqueles que traz cebolas, que se vende no mercado). As cascas dos ovos cozidos não servem! Pendurar o saco no pessegueiro; e tentar mudar as cascas dos ovos uma vez por mês… ou trimestralmente…para quem come poucos ovos… Convém também esmigalhar um pouco as cascas.
  • Plantar cebolinho ou alho dentro da área do pessegueiro.
  • Estrumar a terra à volta do pessegueiro (abrir um buraco aí de um palmo de fundo, e afastado do tronco também um palmo).
  • Eliminar os frutos doentes. As folhas logo que caídas devem ser destruídas (contentor do lixo ou queimar. Nunca para compostagem).
  • Colocar na terra junto das raízes “pedaços” de cobre (fios, canos, etc). «Ao fim de dois anos a doença terá desaparecido de vez»
  • Idem com o zinco: colocar pequenos pedaços à beira das raízes (normalmente as caleiras são de zinco?).
  • Estas mezinhas também servem para as nectarinas, ameixoeiras e cerejeiras.
  • «Só os tratamentos preventivos é que são verdadeiramente eficazes. Logo que os rebentos das folhas se abrem, já é tarde para tratar.»

12 comentários em “Lepra do pessegueiro”

  1. O gajo tem um cão que esgalha tudo.
    Se um gajo se descuida vem de lá com as pernas das calças pintadas de branco.
    Se o cão se aproxima do pessegueiro o pessegueiro fica esgalhado de vez.

  2. Eu tb estou a experimentar com o sumo de limão… pois tenho dois pessegueiros que estão com este problema…
    Há uns 6 dias dei-lhes uma borrifadelas com água e sabão azul e branco… e há dois dias comecei a borrifá-los com agua e sumo de limão… tb vou dizendo como está a correr.
    No entanto não sei se deva arrancar as folhas que estão contaminadas ou não ?!?!

  3. Eu tenho deixado as folhas na árvore. E espero que a árvore vá crescendo e ganhando força. Até agora parece estar a surtir efeito, pois continua a dar pêssegos bons.

  4. Boa tarde, ja alguem tem resultados?
    sou adepta doa tratamentos biologicos e naturais, mas para a lepra so o pomarsol tem dado resultado..

    quantos limoes devemos espremer, o meu pulverizador so leva 5 litros de agua, sumo de limao em 10 litros…e vago.
    Se me puder ajudar…

    obrigado

  5. Os meus continuam com as folhas deformadas. Não quero pôr sulfato de cobre, pois destroi toda a vida biológica (minhocas, etc.).
    Eles continuam a dar pêssegos, por isso vou deixar assim, sem aplicar nada.

  6. Também acabei de “borrifar” os meus pessegueiros com o preparado de limão e água. A minha mãe ensinou-me sumo de um limão em 10 litros de água. Fiz sumo de meio limão em 5 litros…vamos ver o resultado daqui a uns dias! Também apliquei o saco com as cascas dos ovos, sugeriram-me essa alternativa também. Usei as duas!

  7. Eu também uso as cascas de ovos, mas o efeito é limitado, se é que resulta. As folhas continuam a deformar. Mas como vou tendo pêssegos, não me preocupo.

    Para o ano que vem experimento o sumo de limão.

  8. Boa tarde. Alguém teve resultados? Também vi que para o tratamento dos fungos se pode usar 1L de leite gordo diluído em 10L de água. Sabem se funciona? Obrigada.

  9. Nunca tinha ouvido falar de leite para isto. Penso que o que funciona mesmo é o sulfato de cobre, mas prefiro não usar, pois mata toda a vida do solo: minhocas, bichos de conta, e outros bichos que processam matéria orgânica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *